Um quarto para cada filho ?

Gostamos de tranquilidade, de ter o nosso espaço, que tudo esteja fluido entre si, mesmo que não seja perfeito. A Diana sempre teve o seu quarto, desde que nasceu, apesar de nos primeiros meses ter estado no nosso quarto, aos cinco meses passou para o quarto dela. Principalmente porque sempre dormiu a noite toda, ou seja, chega as 22h e ela pede para ir dormir e só acorda de manhã, é a rotina dela, claro que nós, queríamos ver mais um bocadinho de televisão, ou ficar a conversar, o que a incomodava e ela começava logo a resmungar.

Com o passar do tempo surgiu-nos a questão: Onde irá o Afonso dormir?

É quase como se tivéssemos tido gémeos, uma vez que só têm 18 meses de diferença. Irá chegar a altura em que não se vai notar a diferença de idade neles. Tenho lido que se torna bastante banal irmãos (mesmo que de sexos diferentes) partilhem o mesmo quarto, no entanto não sei se será a nossa opção.

Claro que os grandes problemas que me surgem são:

Será que o choro do Afonso irá atrapalhar a rotina de sono da Diana?

Vão ter horários de sesta diferentes, sendo que a Diana só já dorme uma vez por dia, e um bebé faz várias sestas, e se ela quiser brincar com os bonecos dela…. Vou proibi-la de incomodar o mano?

Quererão ter a sua privacidade? (mesmo que não seja já, qual a idade em que acontece?)

Claro que mais tarde, principalmente por serem menino e menina irão querer ter quartos separados, e isso concordo plenamente. Eu acho que cada um ter o seu espaço é importante. Cada um com o seu ritmo e brinquedos. Sendo eu filha única, sempre gostei muito de ter “o meu cantinho”. Mas isso é o que eu acho, poderá acontecer eles quererem dormir no mesmo quarto para quando tiverem um pesadelo não tenham medo e serem tão unidos que queiram partilhar as mesmas experiências, partilhando os mesmos brinquedos e sentirem-se melhor estando sempre juntos.

A decoração do quarto não é problema, uma vez que optámos por tons neutros para o quarto da Diana. Mas será necessário, ou não, ter um quarto para cada filho?

Considero que não haja uma resposta certa a esta pergunta, uma vez que cada família tem o seu ritmo e personalidade, no entanto é uma dúvida que ainda se mantém e que só saberei o que funciona melhor connosco quando chegar a altura, entretanto vou aproveitando enquanto ele ainda dorme mesmo encostadinho a nós.

E vocês? Já passaram por esta experiência? Qual a vossa opinião?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *